Assinatura RSS

Arquivo do mês: julho 2010

Olhos de Ressaca

Publicado em

“Tinha-me lembrado a definição que José Dias dera deles, “olhos de cigana oblíqua e dissimulada.” Eu não sabia o que era obliqua, mas dissimulada sabia, e queria ver se podiam chamar assim.”

E tudo o que eu amo é arriscado, eu sabia desde o início com quem estava me metendo. Com quem estava falando e por quem estava improvavelmente apaixonado. Em meios de chamados sem respostas e tentativas falhas, o desinteresse por quem se interessa ficava visível aos olhos e ouvidos de quem sente saudade. Mesmo tendo tudo para desacreditar, todos os motivos para ser um cafajeste e nunca mais abrir a boca. Centenas de milhares de vozes rodiando-me e… preferi ser um banana, uma criança banana..

Todas as coisas que odeio não faziam sentido quando estava perto de você, e hoje sabe disso. Olhava quase que imperceptivelmente à Lua no céu nublado e conseguia ver seus olhos, seu rosto, seu cabelo e talvez até seus pensamentos. Sabia que antes de dizer não mais uma vez, seria diferente. Ia tentar, mas não conseguir. Portanto, fui forçado a forçar, criar uma coragem inevitável, instantânea, necessária.

E bem, e o resto? Tudo vira bosta no final, e ninguém mais que nós sabe que isso só é verdade quando não há mais o que dizer. Felizmente, ainda temos muito com o que bater de frente, não é mesmo? Pode ser por livros, filmes, anything!

Em meio de palavras, cinemas, música, livros, realidade, paixão, descobri alguém que é tão parecida e tão diferente a ponto de me espantar. Quem sabe? Por que gostar de Dom Casmurro? Eu não faço a menor ideia. Só vou gostar dessa ilustríssima obra literária no dia que sentarmos juntos e comermos o bom e velho Ovo Frito.

” A terra lhes seja leve! Vamos à História dos Subúrbios.”
Como prometido, tentei até o fim e não me arrependo de um momento ao seu lado. Não estou triste e não sei se isso é bom ou ruim. Que seja, estou indo para casa mais uma vez, mas não vai ser por isso que vou parar de pegar no seu pé. há! :D

The taste of you inside my mouth remains…

Bullet for my Valentine – The End.

O que esperar?

Publicado em

Realmente, eu não sei o que esperar. Não sei por que esperar. Não sei pra que esperar.

Esperar algo que talvez nunca aconteça. Esperar lembranças sumirem aos poucos. Esperar desafios serem superados. Esperar fatos se tornarem páginas viradas. Esperar sinceridade. Esperar malícia. Esperar o gosto. Esperar que veja. Deixar acontecer.

Eu não sou alguém que espera o mundo resolver tudo, acreditar que o destino está traçado e não importa o que faça não irá escapar das decisões tomadas por alguém superior. A vida é feita de mudanças e tudo depende apenas de você, se dispor a mudar sua vida é o primeiro passo para uma carreira de novas oportunidades. Mas o que adianta dar o primeiro passo e voltar correndo para casa?

Nós, e apenas nós, fazemos nossa vida. Você pode ter intermédio em suas decisões, mas quem as faz é você. Eu estou aqui pra ajudar-lhe, para fazer-lhe sentir como nunca sentiu antes, sentir-se forte como eu sei que você é. Não posso mudar erros que não foram cometidos por mim, mas posso te mostrar um novo mundo no qual nunca viveu. Basta fazer o mínimo.

I guess what’s done it’s done!
But we will overcome!

Tentação.

Publicado em

My full Desire

Poderia dizer que tudo que acontece é por causa do Destino, que todos tem seus motivos e ninguém tem culpa do que está fazendo.

Diferente do sentido literal da palavra, me refiro ao verbo tentar. Quando estou disposto a fazer algo, tento de todo jeito conseguir o que quero. Mas como saber se estou tentando o suficiente? Como saber se o que eu faço é satisfatório?

Nessas horas eu realmente gostaria de ler mentes, saber como alguém pensa não é o suficiente para saber o que está pensando. Para chegar numa conclusão existem vários caminhos e as vezes posso entender algo errado, além do mais, sou humano.

The end will never come
There’s still a mountain left to climb
But we will overcome
The hurdles placed inside our minds

Me diga, qual a graça de saber tudo? Vou continuar tentando até não conseguir mais. Isso é o que eu quero.
Descobrir do que gosta aos passos, deliciar-me pouco a pouco de cada vigor que consigo por suas palavras. Você é minha tentação.

Me dê oportunidades, ou eu vou conseguí-las.

Parábolas de Raiva

Publicado em

Não gosto de  ser acordado.
Não há coisa pior nesse mundo que ser acordado quando você menos espera estando em repouso absoluto em uma cama macia e coberto por um edredom quentíssimo, sonhando com algo importante ou tendo devaneios divertidos, de repente: TRIIIIIIIIIM! O Telefone toca.

Uma, duas, três vezes… alô?

– Oi filho, tudo bem?
– *balbucia palavras sem sentido*
– Ah é? Sabe se mãe está aí?
– Não
– Aonde ela foi?
– Não sei, estava dormindo.
– Ah é? Então volta a dormir, tchau!


D:

%d blogueiros gostam disto: