Assinatura RSS

É engraçado


Rosto corado e íris escuras, cabelos longos… mas nem tanto. Um jeitinho estranho e sincero que me abraça e agarra meu braço dando risada das brincadeiras mais relevantes que acontecem. Sempre, ou quase sempre, com seu tênis All Star colorido e encardido. Sem problema, All Star bom é All Star sujo! Mas prefiro seu pé descalço. Como é engraçado o jeito que seu pé deixa marca na terra úmida, embora sinto-me triste em dizer-lhe que já pisaram nessa terra muitas vezes antes de você.

As marcas deixadas na terra úmida são perenes. Marcas de verdade. Marcas sinceras. Marcas de vários tipos. É óbvio que tens vários calçados diferentes para que com cada um deles faça mais diferentes marcas de todos os tipos na minha terra úmida; retirando a grama, as formigas e até as flores que ali ousavam crescer. E então a terra seca, sem vida, sem nada.

Assim o céu escurece, a luz divina se apaga e tudo fica cinza, cinza triste. Fica cinza sem vontade, cinza cinza! As nuvens escondem a maravilhosa cor anil do céu do meio-dia. Então, Chuva! Que beleza, chuva! Adeus terra seca, adeus terra sem vida! Vejo as marcas iluminadas pelo cinza se enchendo de água, formando poças e mais poças onde haviam estas tão queridas marcas! Não as vejo mais, tanta água por cima da terra, da rua, do azulejo!

Então você puxa meu braço, tira meus fones do ouvido e os segura com olhos brilhando. Achei que fosse só efeito das gotas da chuva, mas seus olhos estavam mesmo brilhando. Só conseguia ver um dos olhos, a franja encobria o outro, mas não foi como se a sensação fosse cortada pela metade; pelo contrário, só misturou mistério ao brilho dos olhos e ao do sorriso. Ah, Olhares e Sorrisos! Como pode haver coisa melhor que os dois juntos em sua frente? Um lhe encarando e o outro lhe refletindo.

Quando percebi já estava dentre as árvores do parque. Eu tirei seu tênis, e você o meu óculos. O tempo parou, seus pés pulavam nas poças d’água, fazendo-a espirrar com alegria e respingar toda em minha camiseta polo, o meu vermelho forte virava vinho enquanto o branco já estava praticamente transparente, assim como sua blusa. Seu sutiã estava aparecendo, mas você não ligava. Eu não ligava.

Não havia mais marcas.

Anúncios

»

  1. Maravilha de texto, sério mesmo!

    Responder
  2. Nossa, morra com esse texto. Sem mais.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: